Translate

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Porn Cake discute pornografia e cultura hipersexualizada


O Retrato de Sasha Grey | O título faz uma referência à obra O Retrato De Dorian Gray, escrita por Oscar Wilde. A intimidade entre o livro e o quadro vai além. Em um culto à juventude, ambos protagonistas se colocaram em situações de exposição.

Exposição está em cartaz em Belo Horizonte, na Galeria Urban Arts, até dia 4 de junho.


O artista Guilherme Araújo e uma das telas mais interessantes da exposição

Guilherme Araújo é um artista autodidata - pintor, grafiteiro, tatuador e gênio da colagem. Seu grande sonho era ser quadrinista, influenciado pelos grandes heróis: Conan, Homem Aranha até a Turma da Mônica. Na adolescência, fazendo alguns bicos, ele conseguiu comprar um estojo de aquarela e começou sozinho a pintar. Hoje, Guilherme pinta usando a técnica da colagem, algo muito especial e criativo. A escolha do tema para sua primeira exposição – pornografia – também chama a atenção para o caráter crítico e sagaz da obra e do artista. “Porn Cake” não é apenas a exposição de colagens incríveis que parecem pinturas reais, mas uma discussão profunda, importante e atual. Confira a entrevista.

1) Quando você percebeu que o seu caminho profissional seriam as artes?

Em 1997, depois de sair do exército, comecei minha trajetória no grafite sem muita informação. Em 2003, comecei a tatuar profissionalmente, depois de tentar vender algumas séries com desenhos autorais. Tanto o grafite quanto a tatuagem me obrigaram a um intenso estudo sobre as mais diversas manifestações artísticas, algo que foi muito natural pra mim. Sempre que possível eu estava na rua pintando um grafite. Nas horas vagas, desenhando ou pintando, usando aquarelas, tinta acrílica, nanquim, lápis de cor e o que mais aparecesse pela frente. Uma das técnicas que eu explorava, sem grandes pretensões, era a colagem, que eu sempre achei bem versátil e instigante. Em 2009, juntamente com um amigo grafiteiro, eu resolvi me arriscar no mundo das artes plásticas e organizamos a primeira exposição.

2) Como surgiu a ideia da exposição Porn Cake?

Depois de mais algumas exposições que organizei e participei, eu decidi que era hora de um novo desafio, minha primeira exposição solo, assim surgiu a ideia de “Porn Cake”. Resolvi usar a colagem para desenvolver a exposição, graças ao tema escolhido, pois queria falar sobre internet também, além de explorar a ideia de criar links ou mensagens subliminares em cada tela. Esse projeto surgiu a partir de alguns esboços que desenvolvi antes de chegar ao tema final. Depois de descartar a ideia original, que era junk food, acabei chegando ao tema pornografia e consumismo. Definido o tema busquei diversas leituras sobre o assunto e pesquisei material pornográfico na internet.

3) Qual a importância e influência da Internet neste trabalho?

A Internet foi fundamental para o desenvolvimento do conceito. Minha inspiração principal foram os tumblrs pornográficos. A pornografia, em suas variadas vertentes, movimenta a rede ao redor do mundo, influenciando definitivamente a cultura pop e,consequentemente, todas as relações da contemporaneidade. Atualmente, há uma oferta infinita de produtos pornográficos na Internet como vídeos, filmes, sites e blogs, que circulam livremente até chegar nas redes sociais. Aliado a isso, consumimos também, em todas as mídias, campanhas publicitárias que exploram o corpo feminino e objetivam a mulher, incluindo aí as performances super sensualizadas das estrelas da cultura Pop. E, não podemos esquecer do culto ao corpo perfeito e a padrões de beleza irreais, que transformam homens e mulheres em reféns de uma indústria que vende a insatisfação permanente. Porn cake propõe uma reflexão sobre a cultura hipersexualizada da sociedade contemporânea.

4) Como foi o processo de criação das telas?

A técnica escolhida foi a colagem, na qual eu posso explorar a sobreposição de imagens, mensagens subliminares e criar links dentro de cada tela, tudo isso, tendo como uma referência a Internet. O processo é altamente meticuloso e cansativo. São milhares de recortes de papel coloridos das mais diversas revistas para criação de um quebra-cabeça particular. A criação das telas passa por alterações, usando o photoshop em fotos ou simplesmente a reprodução de uma cena, todas selecionadas da Internet. A escolha dos temas surgiu a partir de leituras, conversas ou pesquisas sobre consumismo, publicidade, pornografia e cultura pop em geral.

5) Sua exposição traz uma série de reflexões sobre a mídia, o papel da educação, da escola e dos pais, maturidade, liberdade de escolha e expressão. Na sua opinião, uma cultura hipersexualizada pode levar ao perigoso caminho dos excessos?

É evidente que essa é uma questão bem complexa e meu trabalho propõe uma reflexão. Não estou apontando soluções. A cultura hipersexual é responsável, por exemplo, pelo paranóico culto ao corpo, com a imposição de padrões inatingíveis para uma quantidade imensa de pessoas, gerando uma insatisfação permanente. O sexo visto como produto não é novidade na história humana, mas em escala industrial, como agora, é um fato sem precedentes. Na verdade, ainda não sabemos o tamanho do estrago. A situação que eu vejo é que existe uma insatisfação permanente no ar e uma constante tentativa de se vender uma cultura de felicidade. Uma cultura que só se sustenta na base do Viagra e antidepressivos.


A eposição “Porn Cake” está na Galeria Urban Arts até o dia 4 junho. Esta é a última semana para o público conferir as 10 telas em Eucatex que compõem a mostra. Dias e horários: de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h e, sábado, das 10h às 15h. O endereço da galeria é Rua Sergipe,1171, Savassi. 


Classificação 18 anos, entrada gratuita.

Imperdível! Recomendo!


2 comentários:

Lolita Az Avessas disse...

Adorei a entrevista!
Um salve a esse artista(MZA) que conheço de perto e que sou fã do seu trabalho, questionamentos e talento nato!
O trabalho é de uma riqueza inspiradora, parabéns meu bom!

Adriana Borges disse...

Obrigada Lorena! O nosso amigo é muito bom mesmo! Muito talentoso! Merece toda nossa admiração!