Translate

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Imagens e Vozes de Esperança - IVE


Judy Rodgers - Primeira diretora mundial do projeto Imagens e Vozes de Esperança, diretora executiva do Business as an Agent of World Benefit - BAWB e consultora de mídia e comunicações. Foi produtora de vários programas para rádio e TV nos Estados Unidos onde recebeu prêmios de grande prestígio pelo seu trabalho.


"Tenho pensado sobre o chamado que atendemos quando decidimos nos dedicar a esse trabalho – fazer arte, transmitir notícias, encenar peças teatrais, produzir filmes e programas de televisão, fazer música etc. Eu costumava rir com meus amigos e dizer “Sou tão feliz por não estar praticando medicina. Ninguém morre se cometo um erro”. Porém nesses últimos anos, com os diálogos do Imagens e Vozes de Esperança, estou começando a questionar isso. Talvez o nosso seja um negócio de vida ou morte – embora uma vida e morte em uma dimensão diferente.

Ao pensar sobre o trabalho que fazemos e o impacto que criamos, lembrei-me de algumas das mais poderosas mensagens de nossos tempos – a foto de Nelson Mandela e F. W. de Klerk apertando as mãos num estádio de futebol, as imagens da Terra vistas do espaço, como uma bola azul girando lentamente num mar de escuridão e os discursos do dramaturgo e presidente tchecoslovaco Vaclav Havel sobre a coragem e a visão. Penso que o nosso pode ser um negócio de vida ou morte, por um lado acendendo a esperança e por outro lado apagando-a.

Alguns jornalistas insistem: “Apenas informamos o que acontece no mundo. Não somos nós que fazemos essas imagens ou essas histórias. Apenas comparecemos com nossa câmera ou processador de textos e as captamos. São os outros que praticam a ação; tudo que fazemos é contar o que aconteceu – difundindo a notícia, passando adiante a história para que os outros também a conheçam”. Somos apenas os olhos e os ouvidos das sociedades que representamos.

Assista ao vídeo de apresentação do projeto:



Em um dia qualquer, em qualquer lugar do mundo, há centenas e milhares de eventos acontecendo, de histórias se desdobrando. De tudo o que acontece temos de escolher o que vale a pena contar e é aí que nos distinguimos uns dos outros: na escolha que fazemos e como transmitimos as histórias. Há um mistério nesse processo. Dois fotógrafos podem estar num mesmo lugar, ainda assim vão ver e captar duas imagens diferentes. Centenas de jornalistas podem estar no mesmo evento. Eles vão sair com centenas de versões do que aconteceu. Conforme é a nossa visão, tal qual é o nosso mundo. Não podemos escrever sobre algo que não podemos ver.

Isso nos leva ao assunto que poderíamos chamar de nossa mídia interior e a qualidade da mente que distingue a grandeza. Dentro de cada um de nós há uma corrente fluindo o tempo todo, borbulhando – às vezes mais alto, às vezes mais suave – mas sempre correndo. É um comentário que corre sobre nossas vidas e o mundo do qual fazemos parte. Para alguns é uma corrente de lamentações – caminhos não percorridos, oportunidades perdidas, medo – futuros ameaçadores levando a lugares estranhos. Para outros é uma corrente de possibilidades – portas abertas, caminhos conduzindo a novos começos, doces lembranças daqueles que nos amaram e nos consideraram importantes em suas vidas. As mentes povoadas com essas diferentes qualidades de correntes não podem ter o mesmo tipo de visão e não podem criar a mesma qualidade de história ou imagem. Um tipo de visão nos abate. O outro nos fortalece.

As sociedades se voltam para os seus artistas e para a mídia quando precisam encontrar um sentido naquilo que está acontecendo ao seu redor: elas querem saber qual é a coisa mais importante e em que deveriam prestar atenção. Elas querem saber como interpretar o que aconteceu e talvez, mais importante de tudo, o que elas podem fazer.

Quando dois aviões atacaram o World Trade Center em 11 de setembro de 2001, os cidadãos da cidade de Nova York começaram a formar filas nos centros da Cruz Vermelha e nos hospitais de toda a cidade. Conforme as horas passavam, as filas cresciam. Não havia ninguém para coletar o sangue, nada onde pudessem armazená-lo e ninguém para receber o seu sangue. Mas elas continuaram na fila durante horas porque elas queriam ajudar e não conseguiam pensar em nada mais que pudessem fazer. Isto é uma das coisas mais maravilhosas a respeito dos humanos – queremos ser úteis. E isso é igualmente verdadeiro quanto a nós do jornalismo, da mídia e das artes.

Estamos num momento da história em que a humanidade necessita de um sentido sobre o que é melhor para o mundo, que tipo de futuro pode haver diante de nós e o que devemos fazer juntos para criar esse tipo de futuro. Podemos fazer muito para esclarecer isso. Mas em primeiro lugar devemos limpar as correntes de pensamento que correm em nossas mentes. Não podemos fazer uma luz brilhar nos acontecimentos atuais ou nas possibilidades futuras se não houver luz em nossas próprias mentes. Não podemos ver e ampliar os milhares de pequenos atos de gentileza e heroísmo se não tivermos bondade em nossos corações."

*Judy Rodgers

Imagens e Vozes de Esperança é uma convocação para um compromisso de trabalho vivificante, criando imagens e histórias de possibilidades e esperança. Não se trata de superficialidades – fingir que as coisas ruins não acontecem. É sobre cultivar os espíritos que têm a qualidade de compaixão e generosidade, e a visão que pode divisar o que há de melhor no mundo – mesmo em situações difíceis.
















Grupo IVE em Minas Gerais
https://www.facebook.com/ivebrasil



terça-feira, 24 de agosto de 2010

Coisas legais para se fazer em Minas Gerais 3

61. Vivenciar o dia a dia de uma fazenda centenária
62. Aplaudir o Grupo de Bonecos Giramundo
63. Aprender sobre a história de Minas Gerais no Museu da Inconfidência em Ouro Preto
64. Comprar produtos de teares em Resende Costa
65. Contemplar a Gruta do Salitre, Diamantina
66. Envolver-se na festa do Rosário na comunidade dos Arturos em Contagem
67. Beber café em xícara esmaltada acompanhado de quitandas
68. Sentar em uma venda e ver a vida passar
69. Comprar artesanatos em Tiradentes
70. Observar um leilão de gado na Expozebu de Uberaba
71. Divertir-se em uma feira de agropecuária
72. Andar a cavalo apreciando as paisagens da Serra da Mantiqueira
73. Degustar a culinária típica da Festa Nacional do Milho em Patos de Minas
74. Realizar uma visita interativa no Museu Artes e Ofícios em Belo Horizonte

75. Saborear o rocambole de Lagoa Dourada
76. Fazer uma excursão pelo Circuito das Águas
77. Conhecer o monumento “Menino da Porteira” em Ouro Fino
78. Caminhadas pelo Vale do Matutu em Aiuruoc
79. Viajar para a região do Rio Doce pela ferrovia Vitória Minas

80. Contagiar-se pela beleza dos shows pirotécnicos durante Festa do Foguete em Santo Antônio do Monte
81. Participar de uma colheita de café no sul de Minas
82. Ter uma aula de educação ambiental na Estação Ambiental de Peti da Cemig.
83. Passar um final de semana em Araxá
84. Cair na folia da micareta Sanatório Geral em Ubá
85 - Se deslumbrar com a paisagem da Serra do Caraça

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Coisas legais para se fazer em Minas Gerais 2

31. Passar um final de semana romântico em Monte Verde
32. Tomar um banho de Cachoeira no Parque Estadual do Ibitipoca
33. Experimentar o doce de leite da Universidade Federal de Viçosa
34. Observar o Mono Carvoeiro (Muriqui) na Reserva do Patrimônio
Particular Natural Feliciano Miguel Abdala em Caratinga
35. Comer um fígado acebolado no Mercado Central em Belo Horizonte
36. Fazer compras de lingerie em Juruaia
37. Relaxar no Parque das Águas de São Lourenço
38. Praticar turismo solidário em Capivari, Serro ou em Alecrim, São
Gonçalo do Rio Preto
39. Caminhar com muita calma pelas ladeiras de Ouro Preto
40. Brincar o carnaval em Diamantina
41. Passar uma manhã na gruta de Maquiné
42. Rezar, cantar e dançar na Festa do Rosário em Dores do Indaiá
43. Nadar na Represa de Furnas

44. Almoçar frango com quiabo e angu na beira de fogão à lenha
45. Observar as estrelas no Observatório Nacional de Astrofísica no
Pico dos Dias, Brazópolis.
46. Ficar de queixo caído frente ao altar mor da Igreja de Santo
Antônio, Tiradentes
47. Divertir-se na viagem de Maria Fumaça entre Tiradentes e São João del-Rei

48. Praticar rafting e outros esportes de aventura nas corredeiras do
rio Gavião em Bonito de Minas
49. Isolar-se do mundo no Mosteiro de Macaúbas, Santa Luzia
50. Assistir um concerto no Órgão Arp Schnitger na Catedral da Sé de Mariana
51. Acordar com um galo cantando em um hotel fazenda
52. Participar da procissão Encontro do Senhor Passos em Ouro Preto
53. Visitar um alambique em Itambé do Mato Dentro
54. Assistir uma peça do Grupo Galpão em uma praça

55. Rezar na Igreja de São Francisco de Assis na Pampulha, Belo Horizonte
56. Adquirir calçados em Nova Serrana
57. Refletir sobre a vida no Museu da Loucura, Barbacena
58. Sentir o frio gostoso de Maria da Fé
59. Torcer por uma candidata no “Miss Gay” de Juiz de Fora
60. Admirar um belo horizonte na praça do Papa em Belo Horizonte

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Coisas legais para fazer em Minas Gerais

1. Assistir um espetáculo do Grupo Corpo no Palácio das Artes
2. Ficar horas admirando o forro da Igreja S. Francisco de Assis em Ouro Preto
3. Chegar ao topo do Pico da Bandeira
4. Dormir no Caraça e ver o lobo guará
5. Assistir um jogo do Cruzeiro e Atlético no Mineirão
6. Comer pé de moleque em Piranguinho
7. Surpreender-se no Inhotim

8. Tirar uma foto com a estátua do Juquinha na Serra do Cipó
9. Experimentar as guloseimas da Festa Nacional do Pequi em Montes Claros
10. Pescar um Surubim na Represa de Três Marias
11. Comer pastel de angu em Conceição do Mato Dentro ou Itabirito
12. Beber água na Fonte dos Amores em Poços de Caldas

13. Participar da Vesperata em Diamantina
14. Conseguir uma autorização do IBAMA para visitar o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu
15. Beber uma “Anísio Santiago” em Salinas
17. Participar da Comida di Buteco em Belo Horizonte
18. Alugar um pé de jabuticaba em Sabará

19. Fotografar os profetas em pedra sabão no Santuário de Bom Jesus de Matozinhos na cidade de Congonhas
20. Fazer compras em Divinópolis
21. Emocionar-se na nascente do rio São Francisco no Parque Nacional da Serra da Canastra
22. Comer queijo no Serro
23. Visitar uma mina de água marinha em Governador Valadares
24. Fazer um vôo de parapente na Serra da Moeda, Brumadinho

26. Navegar no vapor Benjamim Guimarães pelo rio São Francisco
27. Comprar artesanato em Bichinhos (Vitoriano Veloso), Prados
28. Fazer a pé pelo menos um trecho da Estrada Real
29. Participar da Caminhada Roseana em Cordisburgo
30. Seguir as placas Caminho do Museu de Território Caminhos Drummondianos em Itabira

domingo, 1 de agosto de 2010

Sorte de Hoje - Siga sua intuição !!!


: ) Use cada passo como base!
Viver é caminhar por uma estrada sem fim, sem muita lógica e razão, é guiar-se pela emoção! É  um sentimento maior que, às vezes, nos escapa, que não tem nome direito, mas faz viver, ter sentido, ter direção... para um lugar onde se acolhe e se extasia! Cada passo que dou, com uma base de amor, transforma e amplia minha consciência!